Eram pouco mais de 23 horas...

Havia pouco que eu tinha chegado em casa. Até então, meu final de Domingo se resumia a espiar meus feeds do Instagram e do Facebook.

Até que então, me veio a vontade de contar algo no blog.


Para ser sincero, eu não tinha a menor ideia do que eu queria contar. Mas já que eu já tinha pego meu notebook, aproveitei o tempo e fui espiar meu Medium e, enquanto lia algumas matérias, acabei aproveitando o momento e fiz a foto que acabou como a capa deste post (texto em destaque).

Pouco mais de quarenta minutos de leitura de textos depois, comecei a fazer o bendito post.

Decidi que faria um post sobre meus blogs.

Ok, no passado eu já tive a oportunidade de manter um blog, aliás, vários (além de ajudar em outros blogs, de amigos). De todos estes vários, só me sobrou um.
Este um, talvez o que foi mais atualizado de todos, foi atualizado oficialmente de Outubro de 2009 até Outubro de 2012, com mais três posts em Dezembro de 2012 e um post de encerramento em Dezembro de 2013.

E foi isso.

Ainda em 2013, durante as manifestações, conheci o Medium por acaso, ao ler um texto de Marília Moschkovich. Já no momento que a página carregou gostei da plataforma. Textos de qualidade, todos em uma página com visual limpo e letras grandes.
Foi o primeiro de muitos textos que li por lá.

Eventualmente, também criei uma conta no Medium e publiquei meu primeiro texto, que teve boa resposta. Além deste, acabei também escrevendo outros dois textos na plataforma.

E 2014 se resumiu assim. Em três textos.

Com o tempo, fui percebendo uma necessidade um tanto diferente. Um lugar para escrever as histórias, só que de minha maneira. Um lugar que eu pudesse publicar fotos da mesma forma com que faço em meu Flickr, mas com a mesma liberdade com que posso compartilhar histórias que eu tinha no Medium.

Como já há alguns meses eu tinha um VPS livre, vi a oportunidade de instalar um blog ali. Haviam várias opções, mas preferi o diferente, e instalei o Ghost, pois sua simplicidade me lembrava do Medium, com templates que valorizavam o conteúdo e quase sem barras laterais.

Depois de instalado, levou um pouco para escrever o primeiro post, mas consegui. Mostrei primeiro à alguns amigos, em especial os que já tinham blogs, e mais tarde acabei tornando o post público.

Desde então, tive a vontade de escrever algo novo, inclusive, já tinha começado um rascunho de post, mas a ideia principal ainda está muito vaga e, quando me veio a ideia para este post, por que não escrever, não é?

Quem sabe neste ano finalmente seja a oportunidade de voltar a manter um blog pessoal, como já citei no primeiro post do blog...

Fico por aqui, 2015 ainda tem muito tempo.

Matheus Pratta

Matheus Pratta

Desenvolvedor web que ama design, fotografia e cinema. Atualmente morando em algum lugar entre São Paulo e Minas Gerais. 🍃🌄

Ler Mais